Manaus, 25 de julho de 2024

A conselheira Yara Lins, pioneira ao assumir a presidência do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) há seis anos, fez uma denúncia impactante nesta sexta-feira (6). Durante a eleição que definiu seu retorno à presidência do órgão, Yara afirma ter sido alvo de agressões verbais por parte de um colega conselheiro, que a chamou de “safada” e “cachorra”.

Nesta sexta-feira, Yara convocou uma coletiva de imprensa na Delegacia Geral do Amazonas para relatar o incidente à Polícia Civil. Ela expressou sua gratidão à imprensa presente e destacou que, neste momento, não se trata apenas da conselheira Yara Lins, mas de uma mulher que enfrentou uma situação profundamente desrespeitosa.

Há seis anos, Yara Lins se tornou a primeira mulher a liderar o Tribunal de Contas do Amazonas. Recentemente, na terça-feira (3), ela foi eleita com uma maioria de 5 votos a 2 para retornar à presidência do órgão, assumindo o cargo para o biênio 2024-2025.

Na coletiva, a conselheira afirmou que enfrentou misoginia durante a votação que definiu seu retorno à presidência. Ela relatou: “Fui cumprimentar o conselheiro Ari com um ‘bom dia’, e ele me respondeu, ‘bom dia nada sua safada, cachorra’, e me ameaçou.”

A referência de Yara é ao conselheiro Ari Moutinho, um membro do TCE-AM.

Yara Lins explicou que, após as agressões verbais, ficou paralisada, mas respondeu de maneira firme: “Passei a mão no rosto dele e disse: ‘você é um infeliz, por isso sofre tanto’.”

Como a única mulher conselheira, Yara Lins revelou que relutou em fazer a denúncia, mas sentiu que não poderia se acovardar diante de tal comportamento.

A nova presidência do TCE-AM, com Yara Lins como presidente e o conselheiro Luis Fabian como vice-presidente eleito, assumirá a liderança do tribunal nos próximos dois anos, com a posse programada até o dia 15 de dezembro.