Manaus, 21 de julho de 2024

O 2º Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), do ano de 2023, realizado pela Prefeitura de Manaus, no período de 6 a 22 de novembro, apontou um índice de infestação predial de 1,5%, mantendo o município em médio risco para as doenças transmitidas pelo mosquito.

O LIRAa foi executado em 26.506 imóveis selecionados por amostragem nos 63 bairros de Manaus, envolvendo 295 profissionais da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), que realizaram visitas domiciliares buscando identificar e coletar larvas do mosquito, bem como eliminar e tratar os potenciais criadouros. Com a análise dos dados, é possível identificar o nível de infestação no município, que pode ser baixo (menor que 1,0), médio (compreende valores entre 1,0 e 3,9) ou alto (4,0 ou maior).

A gerente de Vigilância Ambiental e Controle de Agravos por Vetores (Gevam/Semsa), Alinne Antolini, explica que o LIRAa também realiza o levantamento do Índice Breteau (IB), que indica o percentual de depósitos com focos de mosquitos, e que apresentou um índice de 2,1%.

“Na avaliação, foi identificado que os depósitos que mais contribuem para a proliferação do mosquito Aedes aegypti, em Manaus, são os do tipo B, que são os depósitos móveis, como vasos, frascos com água, pratos, pingadeiras e bebedouros, representando 30,3% dos depósitos predominantes. Isso mostra a necessidade de uma participação mais efetiva da população nas ações de controle do Aedes, especialmente na eliminação de criadouros, uma vez que esse tipo de recipiente é encontrado, principalmente, nas residências”, alerta Alinne Antolini.

Já os depósitos de armazenamento de água para consumo em nível de solo, como tambores, tonéis ou camburões, barris e tinas, representaram 29,9% dos depósitos identificados no LIRAa. Os recipientes do tipo lixo, garrafas, latas e ferro velho são 25,4% dos depósitos encontrados.

“O LIRAa é realizado duas vezes ao ano com o objetivo de apresentar a situação atual de risco para o município e, a partir dessas informações, a Semsa pode planejar e executar estratégias de controle, estabelecendo prioridades para a atuação da Prefeitura de Manaus”, afirma Alinne.

Mapa de Vulnerabilidade

Para obter um diagnóstico completo, a Semsa agregou os resultados do LIRAa (índice de infestação, índice de breteau e depósitos predominantes) às informações sobre a ocorrência de casos notificados de zika, chikungunya e dengue, definindo um Mapa de Vulnerabilidade com as áreas prioritárias para a intensificação das ações de controle do mosquito em Manaus.

O Mapa de Vulnerabilidade aponta que Manaus tem nove bairros em Alta Vulnerabilidade: Redenção, Alvorada, Lírio do Vale e Compensa (Disa Oeste); Cidade Nova e Novo Israel (Disa Norte); Jorge Teixeira (Disa Leste); e Morro da Liberdade e Aleixo (Disa Sul).

Os bairros de baixa vulnerabilidade são: Santo Antônio, Dom Pedro, Vila da Prata e São Raimundo (zona Oeste); Parque 10 de Novembro, Nossa Senhora de Aparecida, Centro, Chapada, Adrianópolis e São Geraldo (zona Sul); Colônia Antônio Aleixo e Mauazinho (zona Leste); Flores, Vila Buriti, Betânia, Cachoeirinha, Educandos, Crespo; Lago Azul (zona Norte).

Os bairros de média vulnerabilidade são: Tarumã-Açu, Tarumã, Planalto, bairro da Paz, Nova Esperança, Santo Agostinho, São Jorge, Ponta Negra e Glória (zona Oeste); Santa Etelvina, Colônia Terra Nova, Monte das Oliveiras, Cidade de Deus, Novo Aleixo, Nova Cidade e Colônia Santo Antônio (zona Norte); Armando Mendes, Distrito Industrial 2, Zumbi, Puraquequara, São José, Coroado, Tancredo Neves e Gilberto Mestrinho (zona Leste); e Distrito Industrial 1, Presidente Vargas, Petrópolis, Raiz, Nossa Senhora das Graças, São Francisco, Praça 14, Santa Luzia, Colônia Oliveira Machado, São Lázaro e Japiim (zona Sul).

Casos

Dados do Sinan On-line, do Ministério da Saúde, mostram que, de janeiro a 24 de novembro deste ano, Manaus registrou 2.490 casos notificados de dengue, o que representa um aumento de 25%, em relação ao mesmo período do ano passado. Já em relação aos casos confirmados, Manaus registrou, este ano, 549 casos, em uma redução de 50,1%, em relação ao mesmo período de 2022.

Além de casos de dengue, Manaus registrou este ano 58 casos notificados de zika, em uma redução de 49,6%, em comparação ao ano passado. Foram confirmados 23 casos de zika, com baixa de 60,3% frente aos casos confirmados em 2022. O município registrou, ainda, 143 casos notificados de chikungunya, com aumento de 6,7% em relação ao ano passado. Em relação aos casos confirmados, o município apresentou 38 casos, diminuindo em 11,6%.

Texto – Eurivânia Galúcio / Semsa