Manaus, 21 de julho de 2024

Netanyahu, que visitou as tropas israelenses no norte de Gaza na segunda-feira, disse aos parlamentares de seu partido Likud que a guerra estava longe de terminar e descartou o que ele considerou como especulação da imprensa de que seu governo poderia suspender os combates.

Ele disse que Israel não conseguirá libertar os reféns restantes mantidos pelo Hamas sem aplicar pressão militar.

“Não estamos parando. A guerra continuará até o fim, até que a terminemos, nada menos que isso”, disse Netanyahu.

Em um artigo de opinião publicado no Wall Street Journal na segunda-feira, Netanyahu reiterou três pré-requisitos para a paz: o Hamas deve ser destruído, Gaza deve ser desmilitarizada e a sociedade palestina deve ser desradicalizada.

Em retaliação ao Hamas por seu ataque mortal de 7 de outubro, Israel tem sofrido pressão de seu aliado mais próximo, os Estados Unidos, para mudar as operações em Gaza para uma fase de menor intensidade e reduzir as mortes de civis.

Cerca de 20.700 habitantes de Gaza foram mortos, incluindo 250 nas últimas 24 horas, de acordo com as autoridades do enclave, governado pelo Hamas.

As forças dos EUA têm sofrido ataques de militantes apoiados pelo Irã no Iraque e na Síria por conta do apoio de Washington a Israel em sua guerra contra o Hamas.

No mais recente confronto, as Forças Armadas dos EUA realizaram ataques aéreos de retaliação no Iraque na segunda-feira, depois que um ataque de drones realizado por militantes alinhados ao Irã em uma base norte-americana em Erbil deixou um membro do serviço militar dos EUA em estado crítico e feriu outras duas pessoas, segundo as autoridades.

Os ataques aéreos mataram “vários militantes do Kataib Hezbollah” e destruíram várias instalações usadas pelo grupo, disseram os militares dos EUA.

O Hezbollah tem laços profundos com o Hamas e a Jihad Islâmica, outra facção palestina apoiada pelo Irã.

As Forças Armadas dos EUA foram atacadas pelo menos 100 vezes no Iraque e na Síria desde o início da guerra entre Israel e Hamas em outubro, geralmente com uma mistura de foguetes e drones de ataque unidirecional.

Washington vem pressionando Israel há semanas para que tome medidas adicionais para minimizar os danos aos civis, designando áreas seguras e liberando rotas humanitárias para a fuga de pessoas. Mas o número de mortos continua aumentando e as operações israelenses se intensificaram.

Acredita-se que o Hamas e seu aliado militante menor, a Jihad Islâmica, mantenham mais de 100 reféns, dentre os 240 que capturaram durante o ataque de 7 de outubro nas cidades israelenses, quando mataram 1.200 pessoas.

Desde então, Israel destruiu grande parte da Faixa de Gaza. A grande maioria dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza foi expulsa de suas casas, e a Organização das Nações Unidas (ONU) afirma que as condições humanitárias são catastróficas.

Fonte: Agência Brasil