Manaus, 21 de julho de 2024

O governo da Colômbia decidiu que vai sacrificar alguns hipopótamos descendentes dos animais importados ilegalmente por Pablo Escobar, antigo líder do Cartel de Medellín e considerado um dos maiores narcotraficantes do mundo.

O criminoso importou na década de 1990 quatro hipopótamos da África. Agora, os animais viraram uma dor de cabeça para o governo colombiano e uma ameaça à biodiversidade do país.

O hipopótamo é um mamífero herbívoro da África. Esses animais chegam a pesar mais de 2.000 kg e têm uma mordida forte, algo em torno de 810 kg. O único predador deles é o leão, que também vive no continente africano.

Sem um predador na Colômbia, os hipopótamos acabaram se reproduzindo e comendo todos os tipos de plantas, o que afetou a cadeia alimentar de outras espécies naturais do país sul-americano.

Atualmente, há 166 hipopótamos, e a previsão do Ministério do Ambiente da Colômbia é de que, caso a reprodução deles não seja interrompida, essa marca ultrapasse 1 mil animais até 2035.

“Eles estão se reproduzindo sem controle”, alertou Susana Muhamad, ministra do Ambiente da Colômbia, na quinta-feira (2/11). Os animais vivem no Rio Magdalena, a 200 km da capital Bogotá.

Além de sacrificar alguns animais, o governo colombiano pretende esterilizar outros hipopótamos para evitar que eles continuem se reproduzindo.

Outra medida que será adotada pelo governo da Colômbia é o envio de parte dos animais para México, Índia e Filipinas.