Manaus, 25 de julho de 2024

A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), juntamente com o Batalhão de Policiamento Ambiental (BPAmb), deteve no domingo (29/10), dois homens por posse de 92 galos utilizados para rinha, além de quatro pássaros silvestres da espécie Curió trancados em gaiolas. Ambos responderão por crime ambiental.

Conforme a delegada Juliana Viga, titular da Delegacia Especializada em Crimes contra o Meio Ambiente e Urbanismo (Dema), as diligências iniciaram após o BPAmb receber denúncias anônimas informando que havia um ringue clandestino para briga de galo, na rua Tanna Holanda, bairro Santa Etelvina, zona norte de Manaus.

“As equipes foram ao endereço e constataram a veracidade da denúncia. No local foi encontrado o ringue, além de 92 galos em situações precárias de sobrevivência e quatro pássaros silvestres da espécie Curió trancados em gaiolas, estes foram encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas)”, disse a delegada.

Foto: Divulgação/PC-AM

Segundo a autoridade policial, também foram localizados os donos e eles confessaram que lá funcionava o ringue clandestino e, inclusive, falaram que treinavam os animais para briga. Diante disso, todos foram conduzidos ao 6° Distrito Integrado de Polícia (DIP), no bairro Cidade Nova, zona norte.

Posteriormente, a Dema recebeu o procedimento e os investigadores elaboraram um relatório circunstanciado da ocorrência, bem como foi realizada perícia dos objetos apreendidos e do local do crime. Os dois homens assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e responderão por crime ambiental.

A tenente Andréia Dantas, do BPAmb, que atuou diretamente na apuração da denúncia, destaca que esse tipo de situação é crime e está inserido na Lei de Crimes Ambientais (9.605/98).

Foto: Divulgação/PC-AM

Denúncias

A Polícia Civil informa que para realizar denúncias sobre posse ou criação ilegal de animais silvestres ou exóticos, a população pode ligar anonimamente para os números (92) 36677741, disque-denúncia da Dema; (92) 98842-1553 do BPAmb, ou 181, da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM).

“Ressaltamos que a denúncia é segura e que, ao denunciar, a pessoa está contribuindo para o bem-estar desses animais”, afirmou Juliana Viga.