Manaus, 21 de julho de 2024

CONSTANÇA REZENDE E PAULO SALDAÑA BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A restauração de obras do acervo artístico destruídas na Câmara dos Deputados por golpistas na invasão de 8 de janeiro pode levar até 12 meses. O maior prejuízo será com um dos maiores símbolos da Casa: o carpete verde do principal salão de circulação do Congresso será substituído ao custo de R$ 921,5 mil.


No total, a Câmara calcula prejuízos de cerca de R$ 3,5 milhões com a depredação, segundo levantamento das áreas técnicas da Casa obtido pela Folha de S.Paulo. O valor inclui as estimativas com reparos, restaurações e também mensuração de danos irreversíveis.


É pelo salão verde –cuja denominação é inspirada na cor do carpete– que circulam parlamentares, membros da sociedade civil e jornalistas. O local é considerado um ícone da Câmara.


No dia 8, os vândalos inundaram o local e provocaram furos e danos por fogo no carpete. O processo para substituição já teve início, segundo o documento elaborado por técnicos da Câmara.


A umidade excessiva do carpete fez com que os técnicos da Câmara retirassem temporariamente do salão verde a obra Muro Escultórico, de Athos Bulcão. A peça também foi danificada, com um grande furo na parte inferior, e precisará de restauração.


A Câmara contabilizou danos em 64 bens do acervo cultural da Casa, como pinturas, esculturas, presentes protocolares e painéis. Há casos de obras com menor impacto, que foram apenas sujas, e danos de maior relevo.


Somente o reparo desses itens tem uma estimativa de custo de R$ 1,4 milhão. A previsão de prazo para a finalização dos tratamentos levou em consideração trabalhos anteriormente realizados, “principalmente nos grandes painéis inseridos à arquitetura”, segundo a avaliação técnica.


“A compreensão dos atos enquanto fator de prejuízo passa pelo entendimento de que há valoração cultural e financeira sobre esses bens. A primeira, repleta de fatores simbólicos, se estrutura sobre os seguintes componentes de valores: histórico, social, técnico/científico, artístico/estético, de raridade e de procedência”, diz documento do Centro de Documentação e Informação da Câmara.


“Já na esfera financeira, os componentes se referem ao valor econômico dos itens, conforme referências de mercado.”
A obra de maior valor atacada por golpistas foi a escultura “Maria, Maria”, uma peça em bronze da artista Sônia Ebling (1918-2006), avaliada em R$ 180 mil. A escultura foi amassada pelos vândalos. Ela já teve seu tratamento finalizado.


A escultura “Bailarina”, de Victor Brecheret, foi manchada e teve parte da estrutura de apoio rompida. A obra, avaliada em R$ 70 mil, também foi tratada e aguarda polimento.


Três vasos e um ovo de avestruz foram totalmente destruídos e têm restauração considerada improvável. Todas foram presentes de autoridades, como um vaso dado à Câmara pelo então presidente da Assembleia Nacional da Hungria em 2011.


Várias dessas peças atacadas estavam em exposição na Casa, próximo à passagem interna para o Senado. A peça “The Pearl”, em ouro, pérola e couro, ainda está desaparecida –a obra foi presente em 2019 do ministro das Relações Exteriores do Qatar, Mohammed bin Abdulrahman Al-Thani, ao deputado Rodrigo Maia, então presidente da Câmara.


Também foram furtados 16 itens da Polícia Legislativa da Câmara. São capacetes, escudos e máscaras de proteção contra gases.
Dois carros Nissan Frontier foram vandalizados, sendo um deles incendiado. No entanto, os automóveis, no valor total de R$ 238 mil, eram locados e há previsão de cobertura de todos os custos por conta de seguro.


Dessa forma, dos R$ 3.556.509,14 de prejuízos apurados, ficará a cargo dos cofres públicos da Câmara o valor de R$ 3.318.098,42. Os valores também constam no documento.


Centenas de golpistas apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) invadiram, na tarde de 8 de janeiro, os prédios do Congresso Nacional, Palácio do Planalto e STF (Supremo Tribunal Federal).


O rastro de destruição atingiu não apenas obras de arte e a estrutura da Câmara, mas também os locais de trabalho de parlamentares e assessores. A área técnica contabilizou 98 bens patrimoniais afetados, como mobiliário, computadores, aparelhos telefônicos e monitores de vídeo.


Imagens anexadas aos documentos mostram computadores e mesas cobertos de urina. Os vândalos ainda jogaram água em impressoras e colocaram fogo em centrais de cabeamento de internet e cadeiras.
Há menção a danos nos gabinetes das lideranças do PT, MDB e PSDB, com um total de 52 bens quebrados –esses de propriedade privada, das equipes que ali trabalham.


O gabinete da liderança do PT, partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi o mais atacado. A lista inclui forno micro-ondas, cafeteiras e quadros e molduras do partido, de Lula e da ex-presidente Dilma Rousseff.


Ainda serão necessários a substituição de equipamentos e reparos nos sistemas de áudio e vídeo, além de consertos nos sistemas de detecção e combate a incêndio. Até peças do elevador do salão verde foram atingidas.


A reposição por perda total de duas maquetes do complexo de edifícios da Câmara ainda aguarda decisão para restauração. A previsão é de um custo de R$ 100 mil.ALGUMAS OBRAS DO ACERVO ATINGIDAS”The Pearl”, sem data
Autor desconhecido
Ouro, pérola e couro
Presente do ministro das Relações Exteriores e vice-primeiro-ministro do Estado do Catar, Mohammed bin Abdulrahman Al-Thani, em 2019.
Status: DesaparecidoVaso Vausa Val, sem data
Porcelana
Presente do deputado Lászlo Kövér, presidente da Assembleia Nacional da República da Hungria, em 2011
Status: Destruído, restauração improvávelMuro Escultórico, 1976
Athos Bulcão
Madeira laqueada
Status: Arranhões e grande perfuração”Maria, Maria”, 1980
Sônia Ebling
Bronze
Obra com maior avaliação entre as atingidas, de R$ 180 mil
Status: AmassamentoVaso chinês, sem data
Autor desconhecido
Laca
Presente de He Guoqiang, membro do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do Partido Comunista da China, em 2008
Status: Quebrado, restauração provávelAdaga, sem data
Autor desconhecido
Prata e pedras preciosas
Presente do presidente da República Argelina Democrática e Popular, Abdelaziz Bouteflika, em 2005
Status: Amassamento na extremidadeESTIMATIVAS DE DANOS PATRIMONIAIS
Substituição de persianas verticais em tecido sintético: R$ 17.115,52
Substituição do carpete do salão verde: R$ 921.482,20
Reposição por perda total das duas maquetes do complexo edificado da Câmara: R$ 100.000,00
Fornecimento e Instalação de vidros (fachadas e internos), vidraçaria e obra civil (material e mão de obra): R$ 191.803,25
Reparos nos sistemas elétricos (material e mão de obra): R$ 18.956,46
Reparos nos sistemas hidráulicos (material e mão de obra): R$ 1.511,93
Substituição de equipamentos e reparos nos sistemas de áudio e vídeo (material e mão de obra): R$ 123.393,48
Reparos nos sistemas de detecção e combate a incêndio: R$ 35.509,11
Substituição de peças no elevador do salão verde, reparos no sistema de transportes prediais: R$ 2.814,00
Serviços de limpeza e conservação: R$ 100.000,00