Manaus, 25 de julho de 2024

A Defesa Civil Estadual divulgou na quarta-feira (1º), a informação que todos os 62 municípios do Amazonas declararam estado de emergência devido à histórica seca que afeta o estado neste ano. De acordo com o órgão, mais de 600 mil pessoas estão sendo impactadas pela falta de chuvas.

Além da seca histórica, o estado está em situação de emergência ambiental devido às inúmeras queimadas. No mês de outubro, ocorreram 3,9 mil incêndios, a pior marca em 25 anos. O fogo provocou uma densa camada de fumaça na cidade de Manaus, resultando na classificação da qualidade do ar como uma das piores do mundo.

Conforme o último relatório da Defesa Civil do Amazonas, os municípios de Presidente Figueiredo e Apuí, que anteriormente estavam em estado de alerta até o boletim divulgado na terça-feira (31), também decretaram situação de emergência nesta quarta-feira (1º).

Em todo o estado, 598 mil pessoas estão sendo afetadas, até o momento, pela seca severa. O número equivale a 150 mil famílias.

Seca no Amazonas

Na capital Manaus, a seca do Rio Negro – a maior dos últimos 121 anos -, isolou comunidades ribeirinhas, fechou escolas e mudou o cenário de pontos turísticos, como, o Encontro das Águas e a Praia da Ponta Negra. O fenômeno também revelou gravuras milenares escondidas em uma praia da capital.

Em Parintins, o Rio Amazonas atingiu a maior seca já registrada na ilha de Parintins, em 49 anos de medição do Serviço Geológico do Brasil (SGB) na cidade. De acordo com a Estação de Monitoramento de Parintins, as águas chegaram em -190 cm, 4 cm abaixo do recorde anterior, de 2010, quando o rio tinha baixado para até -186. A cidade está em situação de emergência por conta da vazante.

Na cidade de Itacoatiara, outro município banhado pelo Rio Amazonas, também registrou a pior a pior seca em 25 anos de medição. No dia 19 de outubro, o nível das águas baixou para 90 centímetros, o pior já registrado pelo SGB.

Já em Manacapuru, o Rio Solimões registrou a pior seca em 55 anos. Segundo o SGB, no dia 18 de outubro, o rio chegou em 3,70 metros.

São Gabriel da Cachoeira, no Alto Rio Negro, sofreu racionamento de energia e desabastecimento. Já outros municípios enfrentaram o fenômeno das terras caídas. Em Beruri, uma vila “sumiu” do mapa” após a queda de um barranco arrastar cerca de 40 casas para dentro do rio. Duas pessoas morreram e três seguem desaparecidas.